Repositorio UVigo

O teatro de bonifrates em Portugal durante o Estado Novo (1933-1974)

Investigo Repository

O teatro de bonifrates em Portugal durante o Estado Novo (1933-1974)

Oliveira, José Luís de
 
DATE : 2017-08-03
UNIVERSAL IDENTIFIER : http://hdl.handle.net/11093/760
UNESCO SUBJECT : 6203.10 Teatro
DOCUMENT TYPE : doctoralThesis

ABSTRACT :

Os bonifrates portugueses vão aparecendo acanhadamente ao longo da História do teatro em Portugal. Já no século XX, ao longo da ditadura salazarista, o seu estatuto enquanto parte integrante das artes cénicas é o de uma relação minguada, face ao actor de carne e osso. O teatro de actores viu-se obrigado a encontrar estratégias que lograssem camuflar as mensagens que pretendiam fazer passar nos espectáculos. Nesta época de estagnação ideológica, os bonecreiros, por sua vez, pareciam ter a precisão da astúcia do teatro de actores, acrescido da necessidade de afirmação do seu mester. Hoje, já no início da segunda década do século XXI, é chegado o tempo de dar a reviravolta que vinha sendo adiada, poder-se-á dizer, há milénios. Os bonecos, que pertencem à génese do ser humano, foram sendo repetidamente relegados para segundo plano. Com esta investigação intentamos compreender os factores que relevaram o estado em que se encontrava o (re)conhecimento do teatro de bonifrates em Portugal durante o Estado Novo. Estas representações que vinham sendo rotuladas como “teatro para a infância” ... [+]
Os bonifrates portugueses vão aparecendo acanhadamente ao longo da História do teatro em Portugal. Já no século XX, ao longo da ditadura salazarista, o seu estatuto enquanto parte integrante das artes cénicas é o de uma relação minguada, face ao actor de carne e osso. O teatro de actores viu-se obrigado a encontrar estratégias que lograssem camuflar as mensagens que pretendiam fazer passar nos espectáculos. Nesta época de estagnação ideológica, os bonecreiros, por sua vez, pareciam ter a precisão da astúcia do teatro de actores, acrescido da necessidade de afirmação do seu mester. Hoje, já no início da segunda década do século XXI, é chegado o tempo de dar a reviravolta que vinha sendo adiada, poder-se-á dizer, há milénios. Os bonecos, que pertencem à génese do ser humano, foram sendo repetidamente relegados para segundo plano. Com esta investigação intentamos compreender os factores que relevaram o estado em que se encontrava o (re)conhecimento do teatro de bonifrates em Portugal durante o Estado Novo. Estas representações que vinham sendo rotuladas como “teatro para a infância” não conseguiram, pelo rótulo imposto, criar o paralelismo, nem a autenticação de qualidade que na realidade possuiam. [-]

Show full item record



Files in this item

Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Spain Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Spain
2013 Universidade de Vigo, Todos los derechos reservados
Calidad So9001